Insone, do grupo Z de Teatro

Segundo a pesquisadora Eliana Rodrigues Silva, “na dança-teatro, o corpo é o veículo através do qual a sociedade fala de seus desejos, medos, alegrias, imperfeições”. E parece ser esse o interesse do grupo Z de Teatro com o espetáculo Insone. No histórico do grupo, esse espetáculo faz parte das suas obras interessadas no efeito que as imagens corporais produzidas refletem no público. Esse arsenal de imagens surge para discutir a sociedade. O corpo a serviço de desnudar a vida contemporânea cotidiana. De modo que não é novidade que o grupo Z pesquise e promova, em seus espetáculos, para bom proveito do espectador, os processos de criação das imagens corporais, que mesmo apresentadas, aparentemente sem um fio condutor linear, traçam um episódio social e comportamental da vida humana.

No palco quatro atores se movimentam insones. A insônia –  também o sono, a vigília –  em todos os seus níveis, é apresenta pelo balé dos corpos. O ritmo frenético dos corpos em certas cenas dá a dimensão da velocidade e correria com as quais nos deparamos no nosso dia-a-dia, sem tempo para o descanso. O mundo é veloz! Qual o espaço ocupado para o sono e para o descanso? Qual o espaço para os sonhos?

Para espaço cênico foi utilizado um grande colchão branco bem próximo da plateia. Esse recurso é fundamental para que o espetáculo aconteça. O palco se transforma no local de experimentação corporal e sensorial que vai se estender até a platéia. Pode parecer que estamos falando de interação direta com o público, mas não. A movimentação dos corpos tão próximos à plateia é que dá a sensação de imersão no universo da peça.

O grupo Z tem essa consciência do diálogo entre as imagens corporais e o universo contemporâneo, em toda a sua complexidade, por isso o utiliza muito bem. Os movimentos dos atores trazem no bojo de sua construção não somente a experiência pessoal de cada um, mas uma infinidade de sentimentos alocados na metamorfose cultural e social do nosso mundo. As emoções pessoais, inundadas pelas angustias atuais do mundo, as emoções de todos nós, portanto. Cada um dos atores está em cena vivenciando e transformando sua experiência pessoal de modo a atingir o espectador, impossibilitando que ele saia dali sem ter vivenciado uma experiência sensorial.

Insone nos coloca dentro das angustias dos personagens, concretizando nossa percepção de um mal instaurado. O grupo Z é o autor da insônia que, afinal, é nossa, da mesma forma. Um ótimo espetáculo!insoneVitória, outubro de 2012.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s